Café quente

Para Fernando,

Não consegui chegar a tempo de me despedir. Sou atrasada até nisso.

Mas, eu, a Loba e Jão saimos juntos para jantar e lá, obviamente, lembramos de você.

Eu tenho um apego imenso à memórias e guardo muitas memórias suas.

Algumas você nem deve lembrar. Algumas você nem deve saber.

Mas uma vez, depois de uma das semanas mais dificeis, das piores fases, a gente se sentou na Geek e o sol estava diretamente no meu rosto.
Eu falava daquilo que me doia, daquilo que me machucava, daquilo que eu tinha tentado esconder.

E tu me interrompe no meio e diz:
“Teus olhos são tão lindos, Helô”

Os seus também. E espero que o que vai estar na frente deles vai ser ainda mais lindo.

Te amo!

O que eu tenho guardado pra te dar

Eu tenho algumas coisas guardadas pra você numa caixa que eu mantive fechada por quase um ano. Ali debaixo dos cabelos que demorei pra cortar, do peso que nunca perdi, dos desejos que ficaram como desejos mesmo.

Eu tenho àrvores. E elas tem histórias tão mágicas que você nem acreditaria!

Eu tenho olhos abertos e mãos prontas para serem tocadas.

Eu tenho uma memória de muitas músicas que você nunca ouviu. Tenho passos de dança pra te acompanhar.

Tenho receitas boas pra curar tristeza, pra fazer acordar cedo ou só pra bagunçar a cozinha mesmo.

Tenho ombros pra você colocar sua cabeça. Posso esconder sua escova de cabelo pra você deixa-los solto.

E eu tenho eu. Espero que você aceite.