eu te dou o meu coração.

Olha, deixe de sua safadeza. Eu fico, o tempo todo, lembrando que é só onde eu nasci/estudei/trabalhei, porque nem morar em Recife eu moro.

Mas tu agarra, Recife. Agarra e não solta.

Agarra toda vez que eu caminho e me pego observando os detalhes. Os prédios, o calor, as pessoas, a melodia. Lembro quando eu tava andando, um dia antes da minha última viagem ao Rio, sentia um pouco de nostalgia. E, atravessando a Ponte de Ferro, parei.
Pra quê diabos eu ia embora?

Carregas toda a beleza do mundo. Aliás, carregas o mundo inteiro. Inteiro, porque somos megalomaníacos.

Não ligue pra quando eu reclamo. Reclamo eu e muita gente. Mas sabes que te amo.

E sabes que eu vou mas, secretamente, eu volto.

“Meu coração vai nas águas do rio…”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s