Esses dons que a gente não tem.

Sempre tive uma teoria sobre ‘dons’. Cada pessoa possui alguns. Pequenos, grandes. Por sorte, nos descobrimos quais são relativamente cedo, assim, poderemos aproveitar cada instante deles.

Eu, como quis, descobri os meus cedo. Escrever, ler e falar.

Sou dessas pessoas que se apresenta, que fala com todas as mesas da festa, que lê até noticias ruins de jornal, outdoors, propaganda num poste, crachá de frentista, que escreve qualquer coisa, em qualquer papel, de qualquer jeito.

Sendo assim, eu também descobri os dons que não possuo.

Não possuo – apesar de insistir em possuir – o dom da paz interior. Não possuo o sorriso largado, a gargalhada não contida, a felicidade instantânea. Essa alegria de acordar com o sol nascendo, com passarinhos cantando. Eu seria uma péssima princesa da Disney – talvez por isso que eu goste tanto das princesas.

Eu não nasci com o dor de tocar as coisas, encarar de frente. Eu finjo que não aconteceu, que as coisas continuam as mesmas. Eu não nasci com o dom de ‘tomar semancol’.

Mas, acreditem: eu insisto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s