born to be wild

Primeiro ponto.
Fui pra o show de Paul McCartney. Até ai já seria o bastante. Mas eu fui pra o show de Paul McCartney recifense e saí de lá como Recifiana.

Segundo ponto.
Van Halen, Whitesnake, Journey, Mr. Big. Tirem os anos 80 do meu juízo. Ou me arrumem uma nova playlist pra dormir que não seja algo na voz do Steve Perry.

Terceiro ponto.
Como se musealiza a dor? O sofrimento? A tristeza? A tortura?

Quarto ponto.
Deus é bom e eu não tenho alergia à camarão.

Quinto ponto.
Não estou mais na puberdade. FORA ESPINHA! FORA DA MINHA VIDA.

Sexto ponto.
Irlanda. 3 anos e sem previsão de voltar não era bem o que eu tinha em mente.

Sétimo ponto.
Máquina do tempo. Qual a dificuldade de se criar uma máquina do tempo?

Oitavo ponto.
35 quilos a menos. E um endrocrinologista/nutricionista que seja legal e não se ache o dono da verdade (nunca dou sorte com eles).

Nono ponto.
Sinto sua falta. Muita. Extrema. Como as coisas ficam agora?

Décimo ponto.
Keep it simple. Always.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s