dismantle. repair.

One last glance from a taxi cab, images scar my mind. Four weeks’ve felt like years since your full attention was all mine.
The night was young and so were we, talked about life, God, death and your family.
Didn’t want any promises, just my undivided honesty, and you said ‘things are gonna change now, for the better, i know’

– Mas, e cadê a sua mãe? – eu perguntei, pensando em como aquela casa estava silenciosa.
– Helô, Mamãe morreu.

I am the patron saint of lost causes, a fraction of who I once believed.
Only a matter of time, opinions I would try and rewrite.
If life had background music playing your song, I’ve got to be honest, I tried to escape you but the orchestra plays on, and they sang ‘oh oh, things are gonna change now for the better’

– Mas, como? Quando?
– No último dia de janeiro. Eu não falei pra quase ninguém, me desculpa.

Hands, like secrets, are the hardest thing to keep from you. Lines and phrases, like knives, your words can cut me through.
Dismantle me down – repair. You dismantle me.

E o resto, apesar de todas as palavras que eu podia dizer, era o silêncio. O silêncio daquela casa, junto com a voz do Patrick e do Bob Esponja, algumas poucas buzinadas na rua, o barulho da vassoura no terraço.
Não importava o que eu fosse falar. Era melhor sorrir e me encostar na mesma cadeira que eu me encostava sempre.

E desejar um feliz aniversário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s